Geral

Educação e segurança pública são os temas do segundo bloco

28 de setembro de 2016
  • Por
    Guilherme da Silveira Bica
  • Fonte
    Portal Arauto
  • Foto: Letícia Dhiel
    compartilhe essa matéria

    Pautas foram sorteadas antes do início do debate com a presença dos representantes de cada candidato

    No segundo bloco do debate desta quarta-feira (28), os candidatos falaram sobre educação e segurança pública e seu respectivo plano de governo para os assuntos propostos. Os temas foram sorteados antes do início do debate, com as seguintes perguntas

    SEGURANÇA
    Os moradores de Santa Cruz têm assistido, alarmados, o aumento gradual da violência nos últimos anos. Segundo dados do comando do 23º Batalhão da Brigada Militar, 37 pessoas foram assassinadas no município somente nestes 9 meses de 2016. É quase o dobro de todo o ano de 2015, quando 20 pessoas foram assassinadas em Santa Cruz. São altos também os índices de furtos, roubos e assaltos. Sabemos que a segurança pública é um dever do Estado. No entanto, diante da crise que o Estado vive nessa área, como você acredita que o Município possa colaborar para diminuir os índices de criminalidade em Santa Cruz?

    Fabiano Dupont: "Parar de brincar de fazer segurança. O prefeito atual fala que segurança é responsabilidade do Sartori e da União, é fato em via de regra, mas quando se posiciona dessa maneira continuamos assaltados, filhos a mercê das drogas. Precisamos melhorar a Guarda Municipal, que tem 73 agentes e só seis revólveres e coletes. Dando equipamentos eles podem até papel de polícia. Vejo falar que o atual governo dobrou câmeras de monitoramento, mais um terço não funciona".

    Afonso Schwengber: "Minha mãe me deu exemplos e é isso que falta hoje. Não adianta encher de polícia, tem que dar oportunidade pra juventude, ter área de lazer, cultura. Crianças não nascem com desvio, entram no mau caminho e não tem volta. No meu governo as crianças terão ocupação. Vamos valorizar  os voluntários que querem fazer coisas no esporte, na cultura. Violência é o que ganha um guarda municipal, não tem dinheiro pra se manter". 

    Sérgio Moraes: "Fazer segurança precisa de trabalho. Hoje concordo que educação é o início de tudo, tem pessaos bem educadas e que se envolvem com o crime, temos bandidos em todos os setores, temos que combater para proteger a comunidade. No nosso governo da Kelly Moraes, foram compradas 20 câmeras e  feita uma central de monitoramento por 1 milhão e 400. Já o governo atual locou as mesmas 20 por 1 milhão e 800. Isso não é gestão". 

    Gerri Machado: Fico feliz que o Sérgio Moraes reconheça que o trabalho da prefeita Kelly teve resultado. Os recursos das câmeras foi um projeto desenvolvido pelo Campis,buscado no Governo Federal e vem do PT, com projetos do PT. Temos quase 80 homens na guarda, e se colocarmos na rua, com a BM, vamos triplicar a força da segurança na cidade. Vamos criar a política cidade segura em que vamos desenvolver Guarda Municipal e câmera de segurança.

    EDUCAÇÃO

    A educação é compartilhada entre Município, Estado e União. À Prefeitura compete o cuidado com a educação infantil e básica. Além de investimentos nas escolas, com abertura de vagas para atender a demanda e zelo pela qualidade da educação oferecida, é compromisso do Município a gestão do quadro de professores. Caso eleito, como será o seu relacionamento com estes profissionais? O seu plano de governo prevê que tipo de valorização para o Magistério?

    Afonso Schwengber: "Educação é coisa que todos os candidatos falam que é prioridade, vejo aqui os problemos que tem, e que foram construídos pelos que estão hoje. Atuamos do lado dos professores sempre, hoje eles são desreitados pela administração. O dinheiro vai sair de não colocar CC lá dentro, 30% é CC dá quase 2 milhões por mês que vamos economizar e investir na educação. Vamos legalizar o piso e dar as condições. Conheço os trabalhadores e sei o que eles passam".

    Gerri Machado: "A população clama pela educação e pedem vagas em creche, isso era proposta do prefeito que não veio aqui, que talvez não saberia como zerar as vagas em creche que ele havia prometido. Nós vamos construir creches no Bairro Beckencamp, no Viver Bem. Também vamos trabalhar pelo plano de carreiras dos funcionários, e transformar o Palacinho em uma grande biblioteca pública. Para os professores vamos implantar a lei do piso salarial".

    Sérgio Moraes: "O píso dos professores já assumimos em assembleia e vamos mante-lo.  Eu fui o único que na asembleia dei voz aos professores, abri o diálogo como sempre quis, tivemos debate franco com eles. No meu governo construímos escolas no Bairro São João, no Cerro Alegre Baixo e queremos voltar pra melhorar o espaço físico, construir creches. Em 20 anos foram construídas cinco, todas pelas mão do PTB".

    Fabiano Dupont: " Estive na assembleia com os professores, eles se sentem abandonados, imploram por capacitação, isso tinha que ser oferecido. Falta humanização na prefeitura e isso não é so nessa gestão. Falta avaliação professores, meritrocacia com o plano de carreira efetivado. Com bom desempenho poderão ter um bônus. Sobre as creches não sei se vamos conseguir zerar as vagas é dificil, mas ofereceremos 450 vagas no primeiro ano".