Correios podem acabar com frete grátis oferecido por lojas online da China


Publicado em 14/03/2018 13:57 Atualizado em 14/03/2018 13:58 Variedades   ENTREGAS Fonte: Olhar Digital

Em novembro do ano passado, os Correios acusaram lojas online da China de "trapaça" no envio de produtos ao Brasil. Sem citar nomes, a agência estatal disse que empresas chinesas se aproveitam de uma brecha para garantir entregas mais baratas aos brasileiros.

Agora, os Correios se preparam para acabar com a suposta manobra. Em entrevista ao Valor, o presidente da estatal, Guilherme Campos, disse que as ofertas de frete grátis dessas lojas chinesas podem acabar ainda em 2018, graças a um novo método de cobrança.

Os Correios pretendem implementar um sistema que cobra o frete diretamente do comprador no momento da entrega. Desse modo, mesmo que a loja online tenha prometido frete grátis, o valor teria de ser pago pelo consumidor, diretamente aos Correios, antes de receber a encomenda.

Além disso, Campos disse que a estatal está em contato com o governo chinês para discutir a situação. Em novembro passado, os Correios também disseram que estavam trabalhando com órgãos internacionais de regulamentação para impedir que os chineses continuem com essa prática.

A brecha em questão está numa norma da União Postal Universal, segundo a qual é possível enviar remessas internacionais de até 2 kg de um país a outro sem precisar de registro. É o chamado modelo de "carta simples".

"Aproveitando-se dessa norma, os sites de compras chineses, em sua maioria, têm enviado ao Brasil encomendas sem registro e, consequentemente, sem rastreamento", explica a nota dos Correios. Com isso, as lojas da China gastam menos, enquanto o órgão brasileiro toma prejuízo.

Além disso, os Correios dizem que essa manobra gera outras consequências, como o "aumento no tempo de processo para a triagem dos objetos internacionais, prejudicando os prazos de entrega e levando os consumidores nacionais à impressão de que o processo de correio, de forma geral, é ineficiente".

Os Correios não citam lojas específicas, mas dizem que a China envia mais de 200 mil pacotes ao Brasil todos os dias. De acordo com Campos, a "trapaça" faz com que a estatal deixe de arrecadar R$ 1 bilhão por ano, ou 6% de toda a sua receita em 2017.

Esse novo sistema de cobrança, porém, ainda não foi oficializado e nem tem data para ser efetivado. 

PortalArauto






Copyright © 2016 Portal Arauto - www.portalarauto.com.br DB